TERRORISMO: UMA PRAGA ATUAL E MUNDIAL

O TERRORISMO NA HISTÓRIA

Por Amanda Vitória Cerqueira Vieira

 

Crimes e guerras sempre existiram no mundo, mas o terrorismo é uma “praga” que surgiu no século passado, quando os dicionários ainda traziam para o termo “terrorismo” uma definição “boa”: “Pessoa que espalha boatos assustadores; que prendiz catástrofes ou acontecimentos funestos, pessimista”. Atualmente, a definição desse termo está um pouco diferente: “Terrorismo é o uso sistemático do terror ou da violência imprevisível contra regimes políticos, povos ou pessoas para alcançar um fim político, ideológico ou religioso”, segundo o site www.brasilescola.com/historia/terrorismo.htm.

O termo “terrorismo” apareceu pela primeira vez em 1798, no Suplemento do Dicionário da Academia Francesa e referia-se ao período de 1973 e 1974, quando a França passou por um regime de terror. Já o primeiro ato terrorista com características semelhantes aos atuais ocorreu em 1912, quando um grupo de macedônios, hostis à Turquia, começou a colocar bombas em trens internacionais. Na década de 1960 o financiamento estrangeiro ao terrorismo aumentou bastante, enquanto que na década seguinte ocorreu o apogeu das grandes organizações terroristas que tratavam de assuntos relacionados com a política e que tinham como marca registrada grandes atentados à bomba e seqüestros. Nas décadas de 1980 e 1990 o terrorismo se disseminou em inúmeras organizações espalhadas pelo mundo, que passaram a usar, principalmente, os carros-bombas e os suicidas, que tinham como objetivo o maior número possível de mortes e destruição, por isso eles escolhiam locais com muito movimento como a saída de escolas, ônibus lotados, grandes lojas, etc. Para tentar amenizar a situação em que o mundo estava por causa dos ataques terroristas, ocorreu em 1996 no Egito a “Conferência Internacional dos Pacificadores”, que reuniu 27 países. O resultado dessa conferência foram algumas “normas” que os países teriam que seguir, como “apoio às iniciativas de paz”, “repúdio ao terrorismo”, e “criação de uma comissão para preparar recomendações sobre a melhor maneira de por em prática as decisões tomadas”. Mas essas resoluções não deram muito resultado, pois continuaram a acontecer e até se intensificaram atos terroristas por todo o mundo. Atualmente ainda ocorrem muitos ataques terroristas, a maioria praticados por fanáticos religiosos, que chegam a matar centenas de pessoas de uma só vez. Mas o maior problema que enfrentamos hoje é que as pessoas estão começando a se acostumar com esses atos. Acham que dezenas de pessoas morreram por causa de um terremoto é a mesma de coisa de dezenas morreram por causa de um ataque suicida, e não é. Precisamos mudar essa ideia agora, porque senão mais tarde o mundo pode sofrer graves problemas. Outro problema é que as pessoas dão mais “valor” a um atentado dependendo de onde ele ocorreu, e não de quantas pessoas morreram por sua causa. Um exemplo disso é que a desativação de três bombas colocadas por terroristas argelinos em Paris teve muito mais espaço na mídia do que a notícia do que a explosão de um caminhão-bomba que matou 500 pessoas no Sri Lanka.

O terrorismo pode ser classificado em dois grupos: o terrorismo aleatório e o terrorismo seletivo. O aleatório está relacionado aos atentados que acontecem sem um alvo definido e sem nenhuma ligação com grupos terroristas, enquanto que o seletivo tem alvos estabelecidos, é ligado a facções terroristas e visa fins específicos. Cada grupo terrorista tem uma causa diferente para cometer atos terroristas, entre elas está a xenofobia e o racismo, desagrado com um governo, questões religiosas e conflitos por território. Atualmente, a causa que mais leva grupos terroristas a praticar ataques são as questões religiosas, que os levam a acreditar que eles estão participando de uma “guerra santa” e que precisam matar todos os que não acreditam na mesma religião que eles.

Nessa reportagem iremos observar três exemplos de grupos terroristas que atuam hoje em algumas partes do mundo.

 

 

Imagens:

http://becosertanejo.blogspot.com/2010/09/11-de-setembro-de-2001-o-dia-em-que-o.html – 11 de setembro

http://umteconaideia.blogspot.com/2010/09/11-de-setembro.html – 11 de setembro

http://noti.hebreos.net/enlinea/2006/09/11/1083/ – Munique 1972

http://blogs.chron.com/bajolalupa/2008/02/ – Munique 1972

 

 

ETA E IRA: Quando esses horrores vão terminar?

Por Alice Arruda de Almeida

 

Dois dos maiores grupos terroristas existentes são o ETA e o IRA. Ambos são localizados na Europa, mas lutam por coisas diferentes. Ambas as organizações causaram muito terror e destruição. Quando será que isso irá parar?

Na Espanha há uma região denominada Pais Basco, perto da fronteira com a França. Os bascos têm origem desconhecida, língua e cultura própria. Em 1959, foi fundada a organização ETA (Euzkadi Ta Askatasuna, que significa Pátria Basca e Liberdade) que luta pela independência do País Basco. O grupo é liderado por Gilmar Antonio, e seu símbolo é uma cobra enrolada num machado. Seus principais alvos são os membros da guerra civil e do governo espanhol.

Em 1952 um grupo chamado Ekin (empreender euskera) de universitários foi criado, e através do Partido Nacionalista Basco, ou PNB, se fundiu com o grupo de jovens PNB. Mas dois anos mais tarde esses dois grupos se separam, e o Ekin formou o grupo terrorista ETA. O primeiro atentado assumido desse grupo foi a morte de um guarda civil em 1968, embora possa ter tido outros atentados antes, só que não assumidos.

Nos últimos anos, o governo espanhol tentou fazer vários acordos com o ETA, para que possa atender parcialmente seus pedidos, sem comprometer a unidade territorial, e até a população basca é favorável a esses acordos e preferem não ter uma luta armada, mas mesmo assim o ETA não aceita negociações, só aceita a independência do País Basco.

Em março de 2006 houve um cessar-fogo permanente declarado pela organização, mas foi rompido em dezembro do mesmo ano, com a explosão de um carro bomba no Terminal 4 do Aeroporto de Madrid-Barajas, provocando desmoronamento do prédio, várias pessoas feridas e duas mortes. Em setembro de 2010 foi anunciado outro cessar-fogo, dizendo também que a organização agora irá assumir um processo democrático.

Nas ilhas britânicas (Grã-Bretanha e da Irlanda), antes habitavam católicos, mas no século XVII, o governo inglês pegou 90% das terras e deu aos protestantes da Inglaterra e da Escócia. Foi daí que surgiu a rivalidade entre essas duas religiões. Em 1900 Foi fundado um Partido Nacionalista conhecido como Sinn Fein (nós mesmos), querendo reivindicar a autonomia perdida para os protestantes.

Em 1921 foi assinado um acordo que dividia a Irlanda em Irlanda do Norte ou Ulster, que era uma província britânica, e Republica da Irlanda ou Eire, ao sul, que era o Estado Livre Irlandês. No final da década de 60, orginou-se o IRA, uma facção militar do Sinn Fein, que passou a praticar operações de guerrilha contra os ingleses e protestantes. Seu objetivo principal é unificar o Ulster e o Eire, e livrá-lo do domínio estrangeiro, como era antes.

Durante vários anos o IRA provocou atentados na Irlanda do Norte, principalmente na capital, Belfast, causando muitas mortes. Os protestantes até criaram grupos de paramilitares para se defender, e suas atividades foram acobertadas pelo governo inglês durante muito tempo, também atuante na repressão da minoria católica. Os protestantes nunca concordaram em ceder para o IRA

Em 1994 houve um cessar-fogo, e as conversações sobre a possibilidade de um governo conjunto começou, fazendo surgir a esperança de paz. Em 1997, o IRA, influenciado pelo Sinn Fein, renunciou oficialmente à violência, no ano seguinte foi assinado o Acordo da Sexta-Feira Santa, que deu certa autonomia á Irlanda do norte, dividindo o poder entre protestantes e católicos. E em 2005 houve o abandono definitivo de suas táticas violentas.

Mas será que o IRA realmente acabou? Será que finalmente conseguiram entrar em um acordo? E o ETA? Será que dessa vez o cessar-fogo é permanente? Ou é só uma questão e tempo para que o ETA cause outro atentado?

 

Imagens:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Euskadi_Ta_Askatasuna.svg – ETA

http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/images/mapa-pais_basco.gif – ETA

http://www.integral.br/zoom/imgs/334/image010.jpg – IRA

 

 

 

AL-QAED Inc :  O que é e como surgiu a organização terrorista afegã. E para onde ela está se espalhando e instalando suas filiais para além do seu país de origem.

Por Sarah Melo

 

Origens

No final da década de 70, a Rússia enviou tropas ao Afeganistão, país que estava enfrentando na época problemas com rebeldes contrários ao sistema de governo socialista que havia sido implantado no país. Os EUA, para fazer frente ao domínio soviético, apoiaram os revoltosos fornecendo cerca de 6 bilhões de dólares no Afeganistão, com a ajuda do Paquistão. Nesse contexto, um muçulmano membro de uma rica família da Arábia-Saudita e favorável à causa dos rebeldes, organizou um grupo de resistência que recrutou milhares opositores do regime soviético. Esse indivíduo era ninguém menos que Osama Bin Laden, e seu grupo, a Al Qaeda.

Estremecimento das relações com os Estados Unidos

O rompimento começou em 1990, quando o governo estadunidense optou por interferir militarmente na ocupação iraquiana na Arábia-Saudita, após a invasão do Iraque no Kuwait. A Al-Quaeda também interferiu no conflito, oferecendo ajuda militar à Arábia-Saudita, pois a organização era uma forte opositora do governo de Saddan Hussein, a quem acusavam de ter transformado o Iraque num estado laico. Apesar dos Estados Unidos estarem, teoricamente, do mesmo lado que eles, o grupo considerou uma ofensa a interferência de tropas americanas, que eram classificadas como “infiéis”, numa guerra entre islâmicos. Diante disso, a Al Qaeda tomou uma posição avessa aos EUA e a todos os países que fossem seus aliados.

O grupo taxou os Estados Unidos de opressivos em relação aos muçulmanos, tomando como bases para tal afirmação fatos como o apoio dispensado aos Israelitas, e a ocupação norte-americana no Iraque, iniciada em 2003.

Atentados

Torres Gêmeas minutos após a colisão do segundo avião.

11 de setembro de 2001. Experimente perguntar a qualquer pessoa o que essa data a lembra. A resposta provavelmente será algo sobre o atentado ao World Trade Center em Nova York, EUA. Quase 3 mil vítimas de diversas nacionalidades, 6 mil feridos e o medo de novos ataques propagado pelo mundo todo: apenas alguns resultados dos ataques, que também envolveram um avião caído no Pentágono, e outro na Pensilvânia.

Foram esses eventos que concederam à Al-Qaeda, suposta responsável pelos atentados, fama mundial. Mas antes mesmo do 11 de setembro, a organização já tinha sido a articuladora de outros ataques, e continua a planejar e executar . A lista é grande, e envolve países dos mais diversos, mas outros que tiveram também grande repercussão aconteceram na Espanha, em 2004, e na Inglaterra, em 2005. Outros ataques ocorreram também na costa do Iêmen em 2000, além de atentados nas embaixadas americanas no Quênia e na Tanzânia.

Atrocidades à parte, supostos membros do grupo afirmam que os ataques são necessários e justos, principalmente contra os Estados Unidos.

Ramificações

Assim como outros grupos responsáveis por ataques terroristas como IRA e ETA, a Al-Qaeda possui subgrupos, sendo um mais extremista, ou outro menos conservador. Mas o fato principal é que, o grupo tem também não só se dividido, mas tem gerado alguns “filhotes” no Magreb africano, na Somália e em outros países do Oriente Médio.

Algumas das ramificações da Al-Qaeda

 

Uma solução agora, com uma disputa tão antiga e tão enraizada em cada sociedade, é muito difícil de ser alcançada, principalmente em função da situação atual, onde nenhuma das partes se habilita a começar uma negociação a fim de promover um acordo. Possibilidades existem, como os pactos entre governo e grupo (ETA e IRA, por exemplo), o que falta é a disposição dos opostos a uma resolução ao menos satisfatória para cada lado.

 

 

Links Relacionados:

http://www.youtube.com/watch?v=KflUSoIxZc8

http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,grupo-da-al-qaeda-diz-que-vai-manter-pequenos-ataques,643219,0.htm

http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI4803627-EI308,00-Al+Qaeda+diz+que+gastou+US+mil+com+pacotesbomba.html

http://news.bbc.co.uk/2/hi/south_asia/1551100.stm

 

2 comentários sobre “TERRORISMO: UMA PRAGA ATUAL E MUNDIAL

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s