Atualizando o passado para o presente…

GLOBALIZAÇÃO DO MUNDO CONTEMPORÂNEO

A era da globalização contemporânea

Por Marina Mergulhão

Muitos economistas avaliam que o processo de globalização se desenvolveu a partir do período da Revolução Industrial e o fim da Segunda Guerra mundial é considerado como o início da globalização moderna. A mesma, é um fenômeno de integração econômica, social, política e cultural, que consiste em atender a dinâmica do capitalismo, permitindo que expandisse os mercados para os países desenvolvidos, cujos já tinham os mercados internos saturados e tiveram participação efetiva neste processo.

Esta integração para o processo de globalização foi proveniente de dois fatores: inovações tecnológicas e o incremento no fluxo comercial mundial. Também havia a vontade de impedir que uma catástrofe como a Segunda Guerra Mundial ocorresse de novo mais tarde e desta forma, as nações que saíram vencedoras da guerra e as devastadas potências do eixo determinaram que tivesse uma enorme importância para o futuro da humanidade, a criação de mecanismos diplomáticos e comerciais, com o objetivo de aproximar cada vez mais as nações uma das outras. E foi a partir disso que nasceu as Nações Unidas, e começou a surgir o conceito de bloco econômico pouco após isso com a fundação da Comunidade Européia do Carvão e do Aço. A necessidade de expandir seus mercados também levou as nações que aos poucos começaram a comercializar produtos com outros países, marcando o crescimento da ideologia econômica do liberalismo.

Este processo também fez com que as relações comerciais entre os países e as empresas tornassem-se mais viáveis e as multinacionais, já que exerciam atividades econômicas em diferentes territórios, foram cruciais para a efetivação do processo de globalização. A formação de blocos econômicos também foi comum neste período, buscando se fortalecer no mercado que está cada vez mais competitivo, a partir do momento em que existem inúmeras empresas de um mesmo produto e diversas facilidades, possibilitando também a realização de transações financeiras e a expansão dos negócios que eram restritos ao mercado de atuação para mercados distantes.

Hoje em dia, os países emergentes se destacam especialmente o BRIC, com grandes economias de exportação, grande mercado interno e cada vez maior presença mundial.  E até antes mesmo do BRIC, alguns outros países realizaram uso da globalização e economias voltadas à exportação para obter rápido crescimento e chegar ao primeiro mundo, assim como os tigres asiáticos na década de 1980 e o Japão na década de 1970.

A globalização vem afetando todas as áreas da sociedade, destacando-se na área de comunicação, principalmente com a internet, esta rede mundial de computadores que permite e facilita o fluxo de troca de idéias e informações. O aumento da universalização do acesso a meios de comunicação também decorre da globalização, devido ao barateamento dos aparelhos e os de infra-estrutura para as operadoras de celulares que vem ficando mais baratos e viáveis cada vez mais rápidos, com aumento da cobertura e da qualidade graças a inovações tecnológicas. Os novos medicamentos, novos equipamentos cirúrgicos e técnicas, o aumento na produção de alimentos e o barateamento no custo dos mesmos, tem refletido em um aumento generalizado da longevidade dos países emergentes e desenvolvidos, nas últimas décadas.

Referências:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Globaliza%C3%A7%C3%A3o

http://www.brasilescola.com/geografia/globalizacao.htm

 

Conseqüência da globalização no mundo contemporâneo

Por Renata Vaz

A globalização trouxe coisas boas e ruins para a sociedade. Entre as boas estão a facilidade na circulação de pessoas, mercadorias, informações etc., onde a tecnologia encurtou muitos caminhos, por exemplo com a internet. Com esse benefício, a população que antes demorava muito para receber informações passou a receber quase instantaneamente, antes para fazer contato interpessoal a longa distância tinha que ser através de cartas e hoje pode ser através de sites de relacionamentos com as mensagens instantâneas e alguns até com áudio vídeo, entre outras melhorias. Dentre as coisas ruins, está a exclusão social, o crescente aumento da taxa de desemprego, além da desigualdade entre a população que acaba por gerar as disparidades entre as classes sociais.

Uma das ações da globalização é uniformizar e ao tempo diferenciar. A intenção de muitos analistas e ideólogos é contrariar os processos uniformizadores, como se fosse suficiente para criar riqueza e igualdade. Entretanto, a globalização acaba alimentando os problemas sociais, dificultando ainda mais a sua finalização.  Essas dificuldades estão presentes não só internamente nos países desenvolvidos e em desenvolvimento, mas também num plano internacional.Vale ressaltar que há uma contradição neste contexto, pois foi nesse mesmo período de crescimento das dificuldades sociais que os países socialistas começaram a dar  abertura ao exterior dos regimes socialistas mais rígidos, indo para uma uniformização institucional e uma tendência universal de valores.

Os benefícios da globalização anteriormente citados, não conseguem atender toda a população dos países, pois há regiões que são excluídas, está a margem desse sistema, onde não tem acesso a certos tipos de meios de transmissões de informações, agravando o quesito do escanteamento social, até por conta de estarem à margem dos grandes fluxos de pessoas e capitais, que pode se tornar um ciclo vicioso. Não precisa necessariamente está em uma região excluída, há pessoas que têm essa mesma dificuldade, mas é em vista da sua situação financeira. Esse fenômeno beneficente fez com que a economia de certas regiões fosse dinamizadas, enquanto a das outras regiões estagnaram, e assim as possibilidades de inserção e ascensão profissional passou a ser maior para quem vivia em cidades com o capital fortemente instalado, ao contrário de quem vivia em cidades rurais, assim, muitas pessoas passaram a ir para a área urbana pensando que esta não tinha problemas com desemprego e subemprego.

Outro problema que também atinge a sociedade é o desemprego, novamente alimentando a disparidade social. Pode-se verificar que a população enfrenta o problema do “desemprego estrutural”, conseqüente da perda de competitividade de certos setores das economias que antes eram protegidos por barreiras tarifárias. Há também o fenômeno da terceirização econômica que tem ajudado para a transformação da natureza do trabalho em escala mundial. Os países desenvolvidos não estão isentos do problema “desemprego”, inclusive isto iniciou com as imigrações para seus territórios onde o mercado de trabalho só estava preparado para atender aos trabalhadores nativos, e não contavam com os imigrantes. Com esse problema, surgiu um medo dos países nortistas, alimentando as tentativas contra a globalização.

Todos essas problemáticas, são vistas nas relações interpessoais como sendo um resultado das diferenças qualitativas do trabalho, das competências e das habilidades, e nas relações interestaduais são vista como uma incompetência na adaptação aos novos padrões econômicos. O que não se percebe também é a participação de fenômenos histórico, político, econômico ou cultural, ou até mesmo da exploração feita pelo capitalismo.

A desigualdades passou a ser vista então, como parte de um processo natural na distinção de indivíduos, e as indefinições geram indiferença e intolerância com as classes baixas alegando que estes são os próprios responsáveis pelo seu próprio “atraso”. Com esse pensamento da naturalidade do problema, perde-se o pensamento solidário para com os mais fracos. Percebe-se assim, as contradições da globalização.

Referências:

http://www.planalto.gov.br/publi_04/COLECAO/GLOBA3.HTM

http://www.artigonal.com/ciencia-artigos/as-faces-da-globalizacao-393645.html

http://bloglobalizado.blogspot.com/2009/04/charge_9446.html

http://mundodasdesigualdades.blogspot.com/2010/05/desigualdade-social-no-brasil.html

A internet, o preconceito e as redes sociais.

Por Larissa Wanderley

 

A globalização trouxe consigo, a comunicação, como peça fundamental desse “quebra-cabeça”. A internet, sendo uma das conseqüência do mundo globalizado.

As redes sociais fazem parte, ultimamente, da internet, essa “febre” que atinge principalmente o público jovem, e tem como proposta fundamental a integração de opiniões, além de congregar culturas. Porém, a rede social, apesar de ter seus benefícios, ela pode ser usada de forma incorreta, através das mais diversas formas de preconceito e abusos, ou seja, crimes praticados por pessoas que acessam esse meio de comunicação, como forma de prejudicar outras pessoas.

O Orkut, myspace, facebook, twitter, os blogs, são os mais conhecidos meios de troca de informações, e a partir dessas redes, dessas “brechas” da comunicação, que os agressores se aproveitam das pessoas sem formação o suficiente para perceber que estão sendo, de alguma forma, aliciadas, persuadidas, e muitas vezes enganadas, por pessoas que não possuem aquela personalidade e imagem, que estão sendo retratadas. Como por exemplo, a clássica história, do velho que se passa por jovem tentando convencer o menor a se envolver sexualmente com o emissor, porém na maioria das vezes essa triste história termina em conseqüências drásticas; o trauma psicológico, o abuso sexual, o medo de envolvimentos amorosos, a dificuldade de reintegração na comunidade, entre outros fatores.

As mais variadas formas de preconceitos também vieram com os blogs, a partir de blogs feitos por pessoas racistas, homofóbicas, nazistas, xenofóbicas, que conseguem dominar, de certa forma, as idéias e os seus pensamentos, ou seja, elas possuem um poder de persuasão muito grande como forma de atingir as pessoas de senso comum. A homofobia é uma das formas de preconceito mais debatidas na atualidade, pois essa vertente da segregação abrange a religião, a questão política, a opção sexual e o âmbito social. Recentemente houve a “parada da diversidade”, onde o policial atingiu um jovem de 19 anos alegando que o tiro disparado tinha sido acidental, versão não confirmada pela perícia, que constatou que o tiro foi doloso. Esse é mais um exemplo, de como a população não esta pronta para aceitar novas opiniões sexuais, e apesar da internet ter a congregação de pessoas, também através disso desperta em certas pessoas e junção para a depreciação de um terceiro, que não faça parte daquele determinado grupo.

Além dos blogs utilizarem a via do preconceito, algumas vezes, eles dão informações distorcidas e muitas vezes equivocadas, a respeito de vários assuntos. Um exemplo claro é uma enciclopédia que utiliza a edição de textos para sua formulação, medida teoricamente erronia, porque a enciclopédia é um meio de conhecimento utilizado como forma de consulta através de fontes confiáveis.

Essa fonte de conhecimento, a internet, nos trás benefícios e malefícios, porém o interlocutor precisa ter o seu próprio senso crítico para discernir o confiável do ocioso, o agressor, o amigo, um texto com tendências discriminativas de textos coerentes e concisos. Além disso, precisa-se de diretrizes de apoio a sociedade que de alguma forma incentivem-na a formar cada vez mais formar os seus cidadãos individualizados, e não segregados. Dessa forma, o coletivo vai ser composto de seres únicos que criticam construtivamente o todo.

 

Referencias:

http://www.blogbrasil.com.br/a-revolucao-da-internet-na-era-da-globalizacao/

http://pt.wikipedia.org/wiki/Rede_social

http://www.portalaz.com.br/noticia/policia/197769_militar_suspeito_de_atirar_contra_jovem_apos_parada_gay_depoe_no_rio.html

 

About these ads

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 172 outros seguidores